Como um Trader Profissional Opera de Verdade (Entrevista)

Como um Trader Profissional Opera de Verdade (Entrevista)

Você já se perguntou como um trader profissional ganha dinheiro? Quer saber o que ele usa pra tomar suas decisões? O que ele pensa de nós traders “na física”?

Para nós da DAY TRADER PRO foi uma honra poder conhecer e , vejam só, ter como um dos alunos de nossos treinamentos um trader que vive “dentro do mercado” e já trabalhou em grandes Bancos Internacionais. Confira esta exclusiva entrevista com o Trader profissional Leonardo Souza.

Poderia fazer um resumo de quando começou nesta carreira e por onde já trabalhou?

Comecei a ter gosto por mercado por influência de pessoas mais velhas que conhecia e trabalhavam em tesourarias, pregão viva voz, etc. Posso dizer que cresci nesse meio e acabei não tendo muitas alternativas. Aos 15 anos comecei a ter contato mais direto com operações em bolsa, mas nada muito bem sucedido. Quando comecei a procurar meu primeiro trabalho já estava decidido que não conseguiria trabalhar em algo que não fosse relacionado a mercado, então desde o início da minha trajetória profissional foquei nessa área.

Desde então, já passei por corretoras, por assets, por bancos de investimentos brasileiro, europeu, americano e até pela bolsa. Sempre em mesa de Derivativos.

Conte-nos como é o dia-a-dia de um Trader Profissional, que tipo de operações faz?

Uma frase muito comum nesse meio é “there is no typical day”. Já que todo dia é algo novo e diferente. O dia a dia de um trader institucional não é muito diferente do que a maior parte das pessoas pensa. O dia começa cedo, bem antes do mercado abrir. Reuniões matinais são quase que diárias e os chamados “Overnigth Reports” são passados. Leituras, e-mails, briefings são realizados preferencialmente antes do mercado abrir. Após a abertura do mercado, diferentemente do que muitos pensam, alguns operadores não ficam 100% do tempo operando…

Há casos em que é necessário atender clientes internos/externos, checar posições, acompanhar operações abertas, se reunir para montar/inventar estruturas, e muitas outras atividades e isso vai depender muito do tipo de Trader que a pessoa é e de qual tipo de mesa ela atua. Com relação às operações, posso dizer que os tipos de operações que Pessoas Físicas realizam e conhecem não possuem nem 10% de semelhança com as operações realizadas pelos grandes players. São diferentes tanto em complexidade quanto em formas de operar. Grandes estruturas com moedas, distorções de curva ONXOFF, derivativos de dinâmica asiática, travas de juros, OTC, FRP´s, enfim, é um cenário bastante diferente do cenário PF. O conhecimento necessário para os 2 cenários também é diferente, entretanto, o objetivo final vai ser sempre o mesmo: Lucrar através da especulação.

Como são as formas de remuneração de um trader profissional? Como o banco lida com as perdas do trader?

Isso muda muito de instituição para instituição e também depende bastante do tipo de mercado e de mesa em que o Trader atua. A remuneração é sempre composta de um Fixo + Bônus variável, variável esse que na maioria das vezes, não está necessariamente atrelado a quanto dinheiro ele faz individualmente, mas sim no “Total Cash” da área. Outro fator que costuma ser determinante é a avaliação/nota que ele vai receber de seus superiores e seu nível hierárquico.

Há instituições mais agressivas que pagam um Fixo abaixo da média do mercado propositalmente e no variável (que é sempre mais gordo) costumam pagar 50% a mais do que o mercado, enfim, como disse, muda bastante de instituição para instituição.

Com relação às perdas, tudo é sempre muito bem calculado e aceitável. Bancos sérios não se expõe nesse tipo de mercado a ponto de correrem riscos de quebrar ou de algo catastrófico acontecer (claro que grandes bancos já quebraram mas envolvem questões totalmente diferentes). É ingenuidade achar que um banco vai decidir correr risco em operações a ponto de ir à falência.

Nas operações de “giro” o que usa para tomar suas decisões ? Como percebe e define uma oportunidade?

Basicamente fluxo e intenção de alguns players. Indicadores como VWAP e Volume at Price são bastante comuns. Mas operações mais de giro envolvem muitas variáveis e não necessariamente a compra e a venda são feitas em bolsa. Aliás, esse é um dos milhares de trunfos dos grandes players. É possível realizar a compra em bolsa e a venda em balcão por um preço melhor, por exemplo. Mas se fosse definir um tipo de método, a tomada de decisão é mais baseada em order flow.

Nos lugares onde trabalhou vocês usavam gráficos como base para suas decisões? Algum destes indicadores de AT conhecidos? Fibonacci?

Existe muito ceticismo da parte da maioria dos Traders institucionais quando se fala em AT. Gráficos estão presentes sim, mas não no sentido de “prever futuro”. São utilizados mais por uma questão visual, marcação de topos e fundos históricos e algumas ideias estatísticas. Principalmente em Commodities, são utilizadas médias de X períodos pra se ter uma ideia de onde o preço está em relação ao passado e também alguns indicadores de volatilidade, desvios, etc. Mas no fundo, nada muito técnico.

Na sua opinião, o que diferencia principalmente um trader ganhador e lucrativo dos outros traders?

Muitas coisas, principalmente relacionadas a visão de mercado. Mas se fosse para escolher as principais acho que se resumiriam em duas:

– Primeiramente, o tão famoso e tão citado psicológico. Se a pessoa não tem a menor ideia de lidar com ganhos e perdas constantes é impossível se dar bem no mercado. A melhor forma de buscar a excelência é se conhecer e ver qual a melhor forma de se importar pouco com isso. Para alcançar isso, alguns preferem operar “pouco”, outros preferem operar em prazos maiores, enfim, cada um deve saber a melhor maneira de se importar pouco com o ganho/perda. Atingir esse tipo de Mindset é , na minha opinião, o primeiro passo para começar a ter chances no mercado.

– Em segundo vem o que, na minha opinião é definitivamente o mais importante: O chamado Pós-trade ou o Plano de Trade. Vejo muita gente definindo um preço de entrada, um stop gain e um stop loss e considerando isso um “Plano de Trade”, o que na minha opinião está longe de ser. Aliás, acho isso um dos maiores erros dos Traders autônomos. Fazendo isso, você torna o seu trade totalmente binário.  Se o preço atingir primeiro seu gain você lucra, se atingir primeiro seu loss você perde. Fazendo isso, você deixa seu lucro/prejuízo depender totalmente do mercado e muito pouco de você. Claro que, no fim, o mercado sempre vai ser o mais importante, mas para mim, quanto menos você deixar o resultado nas mãos dele e mais nas suas, melhor. E na prática como fazer isso ? Ter um plano de trade de verdade.

Um plano de trade de verdade é composto de mais de 30 premissas de como reagir após sua entrada de acordo com o que o preço faz. É montado um conjunto de hipóteses do que o preço pode fazer e pra cada hipótese uma ação/reação a ser tomada. Dando um exemplo a grosso modo, após a entrada, se o preço andar 15% em direção ao alvo, zero 10% da posição, se andar mais 10% repito, se voltar para o break-even, refaço a posição, se for 15% contra, zero parcialmente e assim sucessivamente.

No fim das contas, ao montar um plano de trade que contemple praticamente todos os tipos de movimento que o preço pode fazer você verá que independente do que o preço fez foram as suas atitudes que te fizeram ter o resultado que você teve. Percebe a diferença dessa atitude para a de quem entra, define stop gain e loss e fica “assistindo” o preço fazer o que bem entender? Isso é não deixar o seu trade binário. Isso é fazer com que o resultado dependa mais de você do que do mercado.

Creio que todos concordam que os grandes players raramente perder dinheiro no mercado, podem perder isoladamente, afinal nada é 100%, mas no fim o resultado total sempre sai positivo. Agora basta refletir: Se os grandes players tornassem suas posições binárias como grande parte dos Traders autônomos fazem, ainda sairiam sempre no azul ? Com certeza não. Eles dificilmente perdem, pois justamente já tem todo o plano feito. Caso o mercado vá contra, vamos reduzir a exposição em x%, se continuar, nos hedgiamos em futuros/opções (aqui entra o background citado acima, afinal PF´s tem poucas informações sobre alternativas de proteção, etc.) e seguramos por mais um tempo, e assim por diante. Para mim, essa é a PRINCIPAL diferença entre PF e institucionais.

Alguma dica para nós traders”na física”? 

A principal diria que é a resposta acima, EVITE ficar 100% nas mãos do mercado. Investir em si mesmo e na sua capacidade discricionária é importante. Seja bastante crítico consigo mesmo. Quando era “amador”, o que me fazia achar se uma pessoa era boa ou não no mercado era simplesmente o resultado. Apenas perguntava se o resultado era positivo ou negativo. Se fosse positivo, eu considerava essa pessoa boa. Com o tempo fui percebendo que muitos outros fatores eram determinantes nessa conclusão. Por que entrou? Por que saiu? Qual era seu plano pós-trade? Por que escolheu esse tamanho de posição? Quanto do seu capital você arriscou? Enfim, percebi que o que definia se uma pessoa era boa não era apenas o resultado.

Claro que o foco no resultado é sempre o mais importante e creio que quem não pensar assim jamais terá bons resultados. A ideia de preservar capital, se expor o mínimo possível é muito boa, mas o foco deve ser sempre rentabilizar. Esse é o objetivo final e não e se tornar secundário. Vejo muita gente que acha “normal” perder dinheiro no mercado. Não acho essa uma visão muito adequada, mesmo se estiver começando. É uma opinião um pouco polêmica, mas infelizmente a realidade é que você nunca ganhará muito se preocupar apenas em minimizar perdas.

Outra dica que costumo dar é a de se especializar e tentar entender de maneira PERFEITA e IMPECÁVEL como funciona o mercado em que você atua, se quer operar dólar futuro, seja um ESPECIALISTA em dólar futuro. Saiba todos os detalhes do contrato, sua dinâmica, etc. Cuidado também com informações erradas que as pessoas passam, principalmente os que se dizem “profissionais”. Por fim, aos que sempre pensam em largar tudo para viver de mercado de forma autônoma, a dica vai para ponderarem todos os fatores envolvidos. É um cenário de muitas incertezas e estamos sujeito a mudanças de mercado que fogem de nosso controle. Conheço traders americanos que criaram estratégias altamente vencedoras e foram pro mercado dos autônomos. O problema é que essas estratégias exigiam um alto nível de liquidez do mercado em geral. Poucos meses depois veio Volcker Rule e enxugou tudo. Foram obrigados a desistir, pois não havia adaptação. Portanto estamos suscetíveis a mudanças que não são apenas de nossa alçada. E destinar 100% de sua renda pelo resto da sua vida à esse mercado pode ser muitas vezes bastante arriscado.

Rafael Iasi

Rafael Iasi é o idealizador do site Day Trader Pro. Atua no mercado como day trader independente desde 2013 e é um dos pioneiros na difusão da moderna analise de fluxo de ordens no Brasil. Desde meados de 2015 vem colaborando, através de artigos, vídeos e cursos, na formação de milhares de outros day traders que acompanham o site, canal do youtube e mídias sociais da Day Trader Pro.

Deixe uma resposta

Fechar Menu